Gemada

–       Garçom.

Passa uma jovem e Marcelo olha (câmera subjetiva na garota passando).

Chega outro velho, Antônio, e comenta com o Marcelo, que está distraído olhando a jovem:

–          Que safra, hein!?!

Marcelo vira, ri:

–          Grande safra!!!

Antônio senta na mesa e faz sinal para o garçom trazer um chope para ele também.

Antônio: – Cada neném…

Marcelo: – Nem me fale.

Antônio fala olhando para as mulheres do local (câmera subjetiva): Lindas! (em off, diegético)

Marcelo (ironicamente): – E desinibidas.

Antônio (entusiasmado): E digo mais: desinibidas (com mais ênfase) e sem preconceitos!

Marcelo (ironicamente): eu diria informais! (tom normal) Nenhuma chama a gente de senhor.

Antônio ri e balança a cabeça concordando. Fica um pouco pensativo e diz:

–          Agora tem uma coisa…

Marcelo: – O quê?

Antônio: – Não sei se isso acontece com você, mas às vezes… (pára e fica pensativo)

Marcelo cutuca o outro e diz (ansiosamente): – O quê? Fala Toninho!

Antônio: – Falta papo. É ou não é?

Marcelo: – Como assim?

Antônio: – Sei lá. Tá certo que o que a gente procura nelas não é estímulo intelectual. Mas de vez em quando a gente gosta de… (gesticula) né mesmo? De bater um papo mais … (gesticula como quem quer dizer uma coisa e não termina, pois o amigo já o entendeu), né?

Marcelo (ironicamente): Nem que seja pra recuperar o fôlego – risos

Antônio bate na mesa: – Exato! E não dá! Essa geração não leu nada.

Marcelo levanta o copo como quem vai fazer um brinde: – Nada! (e dá um gole)

Antônio (ironicamente): – Antigamente ainda liam “O Pequeno Príncipe”.

Marcelo: Liam “O Pequeno Príncipe” demais, pro meu gosto.

Antônio (exaltado e gesticulando): Mas liam! (menos exaltado) Quer dizer (fazendo gesto de mais ou menos) rendia aí uns cinco minutinhos de conversa. Hoje, nem isso.

Nesse momento uma jovem se aproxima da mesa e cumprimenta, com um sorriso, o Antônio e, com um beijo no rosto, o Marcelo, deixando nítido que ela tem maior intimidade com o Marcelo.

Jovem: – E aí, tudo bem!

E vai logo sentando na mesa.

Antônio devolve o sorriso. E Marcelo dá uma olhadinha maliciosa para Antônio e diz (com ironia disfarçada):

– Oi minha flor, melhor agora com sua ilustre presença.

Jovem (meio sem graça): Ãhn… Só você pra melhorar o meu dia! (risinhos)

Antônio: – Então moça, como andam os estudos?

Jovem: – Estão indo bem. Só estou um pouco cansada, final de semestre você já viu, são muitos trabalhos para serem entregues.

Antônio: – Mas você não tá tirando nem um tempinho pra relaxar?

Jovem: – Não, tenho que me dedicar aos estudos primeiro, depois, nas férias, eu descanso.

Marcelo: (entusiasmado e jogando um xaveco) – Nossa! Que mulher dedicada! Posso até dizer exemplar! Mas não tem nem um tempinho pra ir ao cinema?

Antônio: – Falando em cinema, vocês viram o filme que vai estrear?

Marcelo faz uma cara de quem não sabe

Jovem: – Qual?

Antônio: – “Jogo de cena”.

Jovem (faz uma expressão de quem já sabe sobre o filme): – Ah, sim! Eu li sobre esse filme.

Marcelo: – É, eu também ouvi falar. Dizem que esse filme mostra a alma do povo brasileiro, aquela que ninguém vê.

Antônio (balança a cabeça concordando): – O diretor mescla, e às vezes não diferencia, mulheres reais (faz com as mãos os gestos de aspas quando fala “reais”) e atrizes.

Jovem (com uma expressão de quem está muito entendida sobre o assunto): Pois é, esse documentário (faz uma expressão de quem sabe mais do que eles sobre o assunto na hora que ela fala “documentário”, já que o filme se encaixa no gênero de documentário) é uma metáfora muito forte do que está acontecendo no Brasil. Quando um senador nega todas as evidências do que fez. Quando o presidente diz que nada sabia e nada saberá, onde está a verdade? Onde está a mentira? Onde está o ator? Onde está a personagem? As coisas que acontecem no Brasil estão surreais.

Marcelo e Antônio se olham boquiabertos, como se estivessem espantados com a fala da jovem.

Marcelo (espantado com a fala): – É verdade. De uma forma irreal.

Antônio (mudando de assunto): – Surreal é a chance do terceiro mandato presidencial!

Marcelo (tentando tirar a cara de espanto): – É mesmo. (com cara de desprezo) Quem diria, né!? O Lula que se diz o presidente que veio do povão e está no poder pra representar a sua classe, querendo armar uma dessas.

Antônio (balança a cabeça, concordando meio injuriado com a situação do país)

Jovem (cheia de si): – É, costuma-se nomear o governo de Lula como sendo o Governo do povo. Mas na verdade ele é uma mistura de autoritarismo lenista, que cruzou com o germe do sindicalismo oportunista e com o populismo pós-getulista.

Antônio e Marcelo se olham ainda mais boquiabertos

Jovem (com ar soberano, como se estivesse discursando para uma multidão): – É como eu sempre repito: O Estado corrompe os homens. Ele mente friamente: “Eu, o Estado, sou o povo”. Isso é uma mentira! O Homem só começa a existir quando termina o Estado.

Continua no post Anterior.

Anúncios

Uma resposta para “Gemada

  1. Ai Plateominto,
    Muito bom… gostei muito do detalhe da jovem “acabando” com os “véios”!
    E um conto político né?! Muito bom!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s